Coleção Arp



A última coleção de 2016 é inspirada no pintor, poeta e escultor franco-alemão Jean Arp, um dos fundadores do Dadaísmo, cuja obra é caracterizada por uma grande versatilidade artistica e uso de diversas técnicas e materiais ( bronze, madeira, mármore, tela).

Jean Arp nasceu em 16 de Setembro de 1886 em Strasbourg, Alemanha. Ele é reconhecido por se envolver em diversas frentes artística: além de pintor, foi escultor e poeta, e se envolveu em diversos movimentos de vanguarda de sua época. Foi cofundador do movimento Dadaísta em Zurich, movimento artístico de caráter antirracional que surgiu em 1916, claramente contrário à Primeira Guerra Mundial e aos padrões de arte estabelecidos na época, e muito ativo nos círculo dos surrealistas em Paris nos anos 20. Durante os anos 30, Arp foi membro do grupo de artistas franceses Cercle et Carré (Círculo e Quadrado) e Abstraction Création (Abstração e Criação) que promoveu a arte concreta.

Nos dias de hoje, Arp é visto como um dos primeiros praticantes da abstração orgânica, que se preocupa com o crescimento natural e a mudança. "Metamorphosis" é um tema primário em sua arte e os motivos do umbigo e torso aparecem nela com frequência. No início de sua carreira, Arp produziu relevos, colagens e desenhos mas na década de 30 ele se virou para a escultura. Ele alcançou sua descoberta artísica em escultura na década de 1950 e recebeu uma variedade de prêmios.

Para essa coleção, misturamos a inspiração em Jean Arp com um  clima de Riviera francesa nos anos 10/20. Aparece pela primeira vez o modelo da calça Pantacourt, em tecido de linho e viscose nas variantes preto e cru. Com cintura alta, sua modelagem lembra as primeiras calças utilizadas pelas mulheres mais vanguardistas que se vestiam de calça bem larga e maiô para irem à praia. As listras também eram presentes em quase todos os trajes de banho dessa época e não podiam deixar de estar nessa coleção.

Criamos três estampas para a coleção. Uma delas, chamada Colagens, tem tons e texturas da natureza que remetem as obras Dadaístas de colagem em relevo. A segunda, com cores primárias que lembram muito as cores utilizadas pelos franceses na praia, azul, vermelho e branco em que o desenho parece ter um ritmo, um movimento, com os elementos figurativos "dançando" num fundo branco. Por fim, a estampa Nanquim, também com fundo claro, foi criada a partir do processo criativo de "colagem casula" descoberto de forma irracional por Arp.

A ideia de movimento também aparece nos tecidos pintados a mão, presente nas obras abstracionistas de Arp.
O resultado é uma coleção mais despojada e relax, com tecidos muito leves e frescos, bem no clima do verão.

































Fotos Viviane Gondek / Snapcomm Estúdio